1.4.08

pequenos detalhes

- Não vai me mostrar?
- Tá bom. Eu mostro. Mas rapidinho.

Ela se vira devagar, e, enquanto a observo, vejo o desenho da calcinha fininha marcando a calça.

- Cadê?
- Calma, safadinho, não vai me ajudar?

Piranha. Sempre me provocando. Olho calado ela soltar o laço da calcinha. Branquinha, novinha.

- Senta no meu colo, vem.
- Você me ama?
- Amo.
- Que bom, eu também. É por isso que a gente se dá bem, a gente convive bem.

Só assim ela me convencia de que valia mesmo alguns minutos de conversa.

2 comentários:

carolchebel disse...

estava na uff, sem nada pra fazer em um dos meus muitos intervalos entre as aulas quando me deparei com um cartaz: pílulas anticoncepcionais. Que diabos era isso?
Não é que é um blog do meu colega de literatura brasileira?!
Legais os textos, são todos seus?
Gosto particularmente dos diálogos, quando me aventuro a escrever, opto por eles...
Mas, e as pílulas?

beijo,
carol

Pedro Augusto disse...

Com tanta gente que escreve em silêncio na uff, eu quis saber quem , enfim, deu a cara a tapa.
Não li tudo, mas a surpresa valeu o comentário.